Diário Sintonia
Concurso Miss Beleza Negra estimula empoderamento feminino
Por Janaina Silva
20 de novembro de 2018

Isabela Larissa Nascimento é a grande finalista

 

Mais do que a beleza da mulher negra o concurso realizado pela Fundação Cultural Calmon Barreto teve intuito de consolidar a importância da mulher negra no cenário do município. Entre as etapas quinze candidatas participaram da preparação e chegaram até a final, realizada no Teatro Municipal, na noite de 19 de novembro, celebrando o Dia da Consciência Negra.

O panorama do negro nos dias atuais vem mudando, mas não é o idealizado por homens e mulheres que vivenciam outra realidade diariamente. De acordo com o boletim divulgado pela Fundação João Pinheiro entre 2012 e 2017 o aumento do desemprego afetou os negros mais fortemente do que os brancos em Minas Gerais. No estado, a renda média por hora dos homens negros e das mulheres negras corresponde a, respectivamente, 68,3% e 60,9% da dos homens brancos. O estudo teve como base dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

O combate ao racismo mobiliza estudantes e professores da rede estadual de ensino também. A criação de políticas públicas para inclusão da temática da igualdade racial ajudou a mudar a realidade de muitos jovens que sofrem com o racismo diariamente. Apenas 20% das escolas da rede estadual, em 2015, tinham projetos relacionados à História da África e cultura afro-brasileira, em 2018 esse percentual ultrapassa 80%.

 

Para o total de ocupados em Minas Gerais no ano de 2017, a renda por hora foi de R$ 12, sendo que homens brancos receberam R$ 16; mulheres brancas, R$ 15; homens negros, R$ 11; e mulheres negras, R$ 10.

 

Marlene Apolinário Silva, coordenadora do desfile, ressalta que a proposta teve como objetivo estimular o papel delas perante à sociedade. “O intuito foi trabalhar o empoderamento da mulher negra, que ela pode ser o que quiser, ocupar o cargo que desejar e não se retrair pelo tom de pela”, diz Marlene.