Diário Sintonia
Consumidores poderão parcelar contas de água e luz
Por Janaina Silva
24 de março de 2020

 

As medidas de flexibilização para o pagamento das contas das Companhias de Abastecimento de Água e Energia Elétrica foram anunciadas por Romeu Zema, durante coletiva de imprensa no final da tarde de segunda-feira (23/03). O objetivo é amenizar os impactos da crise provocada pelo coronavírus para famílias de baixa renda, hospitais públicos e filantrópicos e microempresas que precisaram suspender as operações em decorrência das medidas de contenção da pandemia. Os consumidores da Cemig que estão cadastrados como Tarifa Social de Energia Elétrica terão garantia do fornecimento e poderão ter a conta parcelada em até 06 meses sem pagar multas e juros.

 

O parcelamento dos débitos em 06 vezes se estende ainda aos consumidores comerciais classificados como microempresas, que tiveram que paralisar as atividades em função das restrições de funcionamento decretadas pelo Estado de Minas Gerais. Essa medida atenderá os clientes que formalizarem a solicitação junto à Cemig pelos canais virtuais da empresa. As medidas valem até 30 de abril e poderão ser reanalisadas conforme o andamento da crise do coronavírus. A medida também inclui a flexibilização do pagamento de contas e garantia do fornecimento de energia para hospitais filantrópicos e públicos, bem como unidades de pronto atendimento. No caso de atendimento da Copasa, os clientes beneficiários da Tarifa Social não terão o abastecimento suspenso até o dia 20/04, assim como não haverá a incidência de juros e multas por conta de atraso no pagamento.

 

Os clientes comerciais dos ramos de atividade paralisados, citados na deliberação estadual, com contas com vencimento cujo prazo seja até 20/04/2020, terão prazo para pagamento prorrogado para 20/05/2020. Já os que receberam aviso de suspensão de abastecimento entre os dias 23/02/2020 e 20/03/2020 terão o prazo para pagamento prorrogado para 20/04/2020.

 

Recursos – Outra medida anunciada pelo governador nesta segunda-feira (23/03) foi a realocação de R$ 50 milhões para o orçamento da Secretaria de Estado de Saúde. “Esse recurso será utilizado na reestruturação de leitos, para que, caso a crise venha a se acentuar, o que é esperado, nós tenhamos mais estrutura em todo o estado. Além disso, esse recurso servirá para a compra de equipamentos”, explicou.

 

Transporte rodoviário – Romeu Zema também destacou que, por enquanto, somente o transporte de ônibus de passageiros será interrompido no estado e é importante manter o transporte de cargas para garantir o abastecimento. “O transporte de carga não pode sofrer nenhuma restrição. Muitos caminhões estão ficando parados porque precisam de uma borracharia ou de uma peça e o comércio está todo fechado. Precisamos lembrar que nós recomendamos que apenas o comércio não essencial feche as portas. Aquele que atende prestadores de serviço, como caminhoneiros, precisa funcionar. Se pararmos o fluxo de caminhões, pode faltar alimento, medicamentos e até água tratada. Os caminhoneiros precisam ser muito valorizados neste momento, porque estão mantendo a sociedade abastecida”, enfatizou.