Diário Sintonia
Dia da Cachaça é comemorado hoje (13)
Por Janaina Silva
13 de setembro de 2019

MG é o maior produtor de aguardente de cana artesanal

 

200 milhões de litros por ano, o que representa 50% da produção nacional neste segmento. 13 de setembro é o dia nacional do destilado mais apreciado no Brasil e o terceiro mais consumido no mundo. Em Minas Gerais a atividade é responsável pela geração de mais de 100 mil empregos diretos e cerca de 300 mil indiretos. No último ano, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), vinculada da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, prestou assistência a mais de 1,3 mil agroindústrias, responsáveis pela produção de 33 milhões de litros da bebida. Desse total, 1.000 estabelecimentos pertencem à agricultura familiar. As agroindústrias de cachaça estão distribuídas em quase todas as regiões mineiras.

 

As exportações mineiras de cachaça geraram, em 2018, receita de aproximadamente US$ 700 mil, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Estados Unidos e Uruguai foram os principais mercados para o produto mineiro.

 

O Governo de Minas, por meio da secretaria estadual, Emater-MG, Epamig e Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), realiza políticas públicas no sentido de incentivar os produtores a regularizarem suas produções, e de conscientizar a população quanto ao consumo de bebidas com registro sanitário, iniciativas que contribuem para o desenvolvimento do setor. Integram as ações governamentais a assistência técnica oferecida pela Emater-MG e a Câmara Técnica da Cachaça, que atua como elo entre o Estado, o setor produtivo e o consumidor. As reuniões ordinárias são realizadas a cada seis meses e, nesses encontros, são discutidas tratativas que têm como objetivo promover desenvolvimento de políticas públicas que atendam aos interesses de todos os envolvidos.

 

Já o Programa Certifica Minas visa assegurar a qualidade da cachaça e de outros produtos agropecuários e agroindustriais produzidos no estado, estimulando a sustentabilidade de seus sistemas de produção. Os auditores do IMA avaliam todas as etapas do processo produtivo, incluindo a gestão da propriedade, responsabilidade social e ambiental. Após a aprovação, os produtores podem utilizar o selo de conformidade do programa nas cachaças certificadas. Além da certificação no Certifica Minas, outras opções são os selos de cachaça sem agrotóxicos (SAT), cachaça orgânica e IMA/Inmetro.

 

História

A criação da data, em 2009, é uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Cachaça, e o dia 13/09 foi escolhido em homenagem à data em que a cachaça foi oficialmente liberada para a fabricação e venda no Brasil, no ano de 1661. Porém, esta legalização só foi possível depois de uma revolta popular, ocorrida no Rio de Janeiro, contra as imposições da Coroa Portuguesa, conhecida como “Revolta da Cachaça”. Até então, a Coroa criava impedimentos para a produção de cachaça no país porque queria que a bebida fosse substituída pela bagaceira, aguardente típico de Portugal. A bebida é conhecida por vários nomes e alguns deles são bastante curiosos, como “mata-bicho”, “branquinha”, “parati”, “bicha”, “água que passarinho não bebe”, “marvada”, “veneno” e “boa”.