Diário Sintonia
Governador cumpre agenda em Araxá em mais um “Giro pelo Estado”
Por Paloma Gabriela
12 de agosto de 2019

Romeu Zema entregou a produtores o Selo Arte que reconhece e valoriza a produção de queijo artesanal no Estado

Minas Gerais é o primeiro estado a entregar o certificado

 

Treze produtores do Queijo Minas Artesanal (QMA) de diferentes regiões do estado receberam o certificado. Regulamentado pelo governo federal, no mês passado, o Selo Arte viabiliza a comercialização interestadual dos produtos artesanais de origem animal. Neste primeiro momento, receberam o selo os produtores artesanais cujas queijarias já estão registradas no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), instituição vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), responsável pela defesa agropecuária em Minas.

 

O Governador ainda percorreu a feira e conversou com produtores, comerciantes e visitantes e foi homenageado junto à secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, pela Guilde Internationale de Fromagers – um dos principais reconhecimentos do mundo queijeiro -por suas trajetórias de apoio à produção de queijos.

 

“Fiz questão de comparecer aqui nesta primeira feira internacional do queijo porque Minas Gerais é o maior produtor de queijo do Brasil. Isso tem uma representatividade muito grande na nossa economia e o meu governo vai fazer de tudo para levar esse queijo tão bom, que nós temos aqui, para outros estados e para o exterior também. Tenho me empenhado pessoalmente, porque nós temos uma riqueza, um produto maravilhoso e precisamos divulgá-lo melhor”, afirmou o governador

 

Congresso

o Governador participou também  III Congresso Brasileiro da Magistratura e do Ministério Público para o Meio Ambiente, onde presidiu o painel de debate sobre o Meio Ambiente nos Tribunais Superiores e teve como principal palestrante o presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha.

O governador defendeu a simplificação de processos, sem perder a qualidade técnica e a preservação , mas que possa permitir o desenvolvimento econômico de Minas e do país.

 

“A legislação é passível de aperfeiçoamentos, mas sempre lembrando que é preciso preservar o meio ambiente. Tudo pode ser aperfeiçoado, a legislação precisa ter essa dinâmica, espelhar novos conhecimentos científicos, novas descobertas, rever o que foi feito de forma inadequada”